domingo, setembro 12, 2010

RELEMBRANDO TRECHOS INESQUECÍVEIS:                




                                                                                             

 SAINT-EXUPÉRY


O SENTIMENTO DO IRREMEDIÁVEL ME FÊZ GELAR DE NOVO. E EU COMPREENDI QUE NÃO PODERIA SUPORTAR A IDÉIA DE NUNCA MAIS ESCUTAR AQUELE RISO. ELE ERA PARA MIM COMO UMA FONTE NO DESERTO.


.... À NOITE, TU OLHARÁS AS ESTRELAS...
MINHA ESTRELA SERÁ PARA TI QUALQUER UMA DAS ESTRELAS. ASSIM GOSTARÁS DE OLHAR TODAS ELAS...


QUANDO OLHARESO CÉU À NOITE , EU ESTAREI HABITANDO UMA DELAS , E DE LÁ ESTAREI RINDO ; ENTÃO SERÁ , PARA TI, COMO SE TODAS AS ESTRELAS RISSEM!
DESSA FORMA, TU, E SOMENTE TU, TERÁS ESTRELAS QUE SABEM RIR! 

E QUANDO ESTIVERES CONSOLADO(A GENTE SEMPRE SE CONSOLA), TU FICARÁS CONTENTE POR TERES ME CONHECIDO. TU SERÁS SEMPRE MEU AMIGO. TERÁS VONTADE DE  RIR COMIGO. E  ÀS VEZES ABRIRÁS TUA JANELA APENAS PELO SIMPLES PRAZER... E TEUS AMIGOS FICARÃO ESPANTADOS DE VER-TE RIR OLHANDO O CÉU. TU EXPLICARÁS  ENTÃO:"SIM, AS ESTRELAS, ELAS SEMPRE ME FAZEM RIR!"


E MAIS:

EU PARECEREI ESTAR MORTO, E ISSO NÃO SERÁ VERDADE...

EU NÃO POSSO CARREGAR ESSE CORPO. É MUITO PESADO.

MAS, SERÁ COMO UMA VELHA CONCHA ABANDONADA. NÃO TEM NADA DE TRISTE NUMA VELHA CONCHA...

EU TAMBÉM OLHAREI AS ESTRELAS...




Recados para Orkut




Os mais lindos recados da web para você www.maniadescraps.com



imagem:http://4.bp.blogspot.com/_BauNqi6dEd8/TEGbTYKjqMI/AAAAAAAAB9I/F5815xWFBFU/s400/pequeno_principe_02.jpg



                                                                 

                                           


  Frio Interior

(Desesperança)


Estou abrigada em meu quarto,


Mas sinto frio.


O vento gela meus ossos,


Penetra minha pele.


Ouço o barulho das folhagens


A se balançarem.


Sinto medo.


Tenho medo da noite


Do vento, do inesperado.


Foi o inesperado (ou não?)


Que levou meu riso,


Minha luz, minhas certezas,


Minhas verdades, minha segurança.


Hoje, balanço


-como as folhas


Que gemem lá fora-


Entre a sanidade e a loucura


A verdade e a mentira


A esperança e a desesperança


A fé e a descrença.


Que caminho seguir?


O que me reserva o futuro?


Que futuro?


Há futuro em meio à dor?


Às lágrimas, à inconformidade?











                                                                                            
Música selecionada no mp3 que meu filho escutava.

DESCOMPASSO


Setembro chegou

E tu filho amado

Não chegaste junto.

Os pássaros cantam alegremente

E eu não ouço tua voz.

Os filhotes crescem felizes

E eu não te vejo mais crescer.

A paisagem começa a colorir

E meu mundo não se veste de cor.

As flores desabrocham

E meu coração se fecha.

A chuva rega as plantas

E as lagrimas regam minha dor.

Dizem que é preciso encontrar a esperança

Que retorna na primavera,

Mas meu calendário

Perdeu o compasso,

Pois continua no rigor do inverno

Com a neve a gelar meu peito,

Endurecer as mãos

Embranquecer meu semblante

Pela falta do exercício diário

De receber o amor

Que emanava de ti,

De segurar tuas mãos

E sentir o calor

Que irradiavas com um simples olhar.










música selecionada no mp3 de meu filho.
Publicado na Antologia On Line da Câmara Brasileira de Jovens Escritores
http://www.camarabrasileira.com/apol71-023.htm

Publicado na Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos 71
Primeira Edição 2010-BrLetras-CBJE
ISBN-978-85-604489-27-5


Publicado no Diário da Manhã-Pelotas-RS
Data:2010.11.05-Sexta-Página 11