terça-feira, novembro 12, 2013

TRABALHO CONJUNTO DO GRUPO VARAL DO BRASIL FACEBOOK

Juca Cavalcante
Aí está o trabalho coletivo intitulado:

ESTRADAS

Por entre as estradas da vida,
vou deixando as marcas desse meu caminhar.
Em cada marca um novo sonhar.

Conheço uma estrada da qual não se pode fugir.
É aquela que só tem uma mão de direção.
Só existe a pista de ida, não tem acostamento
nem balões de regresso.
É a estrada que se abre à nossa frente
no dia em que nascemos.
É a estrada da vida.

Minha estrada pode ser longa ou pode ser curta.
Vai depender das paisagens à vista
e da forma como eu possa curti-las.
Se forem belas e cativantes, a estrada parecerá menor.
Se forem desagradáveis ou entediantes, essa estrada
parecerá nunca terminar, por mais curta que seja.
Cabe a mim dimensioná-la a meu favor, e dar lugar
a um paradoxo : Tomara que seja curta, pois significará
que estarei feliz.
E tomara que seja longa, para que essa felicidade nunca termine.

Só me resta, então, me atirar sobre a estrada,
sem medo de ser feliz e correr o risco de me ferir.

As estradas sempre fascinam; são convidativas
para o movimento da vida... Elas atraem, elas chamam,
e por elas seguem gentes, jumentos, caminhões e tratores.
É um avançar contínuo.
E pelas estradas sempre me joguei, fascinada, embevecida,
e por elas fui e vou aprendendo o trilhar da verdadeira estrada:
Conhecimentos e sentimentos em comunhão.

Estradas... Sinto, diante de uma estrada, uma atração e um
impulso incontrolável de colocar os meus pés nela e me deixar levar.
Caminho, mas na verdade, não percebo o caminhar.
É como se estivesse numa esteira rolante, e lá vou eu,
levando no peito uma ansiedade por algo, que, com certeza, encontrarei
no fim dela, algo indefinido, que estou a buscar, acho, desde os primeiros
passos dos meus pés na terra.
Pergunto-me: ESTAREI BUSCANDO DEUS?
Acredito que sim, porque só Ele vai por fim a essa minha ânsia
de felicidade grande e eterna.
Nos braços Dele está ela, infinita e sem intervalos.
Estrada me lembra busca e busca me lembra Deus.

Cada ser sobre a terra tem uma estrada a percorrer.
Ela pode ser longa, como pode ser muito curta, para
incredulidade de outros seres.
Pode ser alegre, sem percalços, sem imprevistos,
sem muitas barreiras, fazendo os caminhantes sentirem-se
afortunados.
Em contrapartida haverá quem, mesmo com uma estrada fácil
de ser percorrida, sentir-se-á insatisfeito, infeliz, incompreendido,
é uma questão de ótica.
Outras pessoas terão à sua frente uma estrada com inúmeras
e imensas dificuldades, e não lamentarão, farão dos obstáculos,
das dores, dos imprevistos, fonte de aprendizado, conscientes
de que é para isto que vivemos. Para aprender, aperfeiçoar e nos
tornarmos mais sábios e mais puros.
Lamentar de nada adiantará .
Até pode haver reclamação, mas a aceitação e a superação fazem
parte do aprendizado.
Escolher como percorrer a estrada que se abre à nossa frente
é opção de cada um.
É neste momento que o ser humano faz uso do livre arbítrio que o distingue dos demais seres.
Importante é não percorrê-la sozinho, e sim, acompanhado de muitos afetos,
que dão suporte, divide o peso, e faz a caminhada parecer valer a pena.
BOA VIAGEM!

Quem disse que as mãos ficariam entrelaçadas para sempre.
Quem disse que os lábios deveriam estar sempre vermelhos
e molhados, prontos para obedecer a um só chamado...
Um único e aprisionado chamado...
Comecei a entender tudo muito tarde...
Apenas quando a estrada que o levou embora, acenou,sorrindo, para
mim.

... E sorrindo pra mim trouxe para a minha mente, algumas estradas
percorridas onde quilômetros de esperança fluíram juntos com meus suores sem fim...

Suores que me fazem lembrar da distância que nos separa,
que se torna curta quando me lembra que essa estrada,
cujo percurso se torna suave, me leva até você.

A vida é uma estrada que começamos a percorrer no momento
em que nascemos; entre morros, curvas e buracos, vamos
traçando nosso destino, em quilômetros e quilômetros de emoções
e sentimentos, e, tal qual a vida, nossa estrada tem começo. meio e fim...

Uma única estrada que não termina, dentro do coração,
cultivada eternamente, mesmo que modificada possa, é a estrada do amor
pelo amor.
Sempre ensinando a gente a amar o amor à vida.

Se... na última curva da estrada, o destino tenha roubado nosso amor,
tal como as pedras, rolaram os sonhos, colocando a alma em cacos.

As pedras rolam, a gente também rola, as marcas são deixadas,
as cicatrizes vão sumindo, de repente, aquela Força Interior grita mais alto,
e a alma recolhe os cacos e resplandece como uma flor de lótus.
Na realidade, ninguém quer morrer, resta, então, renascer, pois o
amor à vida grita mais forte e a capacidade de criação se manifesta.

E a minha estrada foi feita assim, dos caminhos que tracei , dos
lugares aonde queria chegar, com suor, com obstáculos, mas sempre
em frente.
E quando, por vezes, não consigo seguir a estrada que pretendia,
me via inicialmente chateada por estar em uma outra estrada !
Até me dar conta de que Deus não erra, e que sempre estou na
hora certa, no momento certo e na estrada certa que leva ao
caminho a que eu tenha merecimento.

QUE VENHAM AS ESTRADAS!!

***********

FLÁVIA ASSAIFE, MARIA NILZA CAMPOS LEPRE, HÉLIO CERVELIN, CLÁUDIO HERMÍNIO, NORÁLIA CASTRO, MARIA ALICE LIMA FERREIRA, ISABEL VARGAS, JÚLIA REGO, CARLOS ANSELMO PARADA, JUCA CAVALCANTE, DULENARY ANA ROSA, NEYDE BOHON, SILVANA BRUGNI.

ORGANIZAÇÃO: jUCA CAVALCANTE

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home