quinta-feira, fevereiro 02, 2012

PUBLICAÇÃO DA AVSPE

POETAS 2012




Tela Presente do Artista Plástico Celito Medeiros http://www.celitomedeiros.com.br/

TRANSFORMAÇÃO
Isabel CristinaSilvaVargas


Por nove meses te carreguei comigo.
Por vinte e três anos caminhamos juntos,
De mãos dadas em elevada sintonia.
Energia concentrada
Impulsionando-te como um foguete
Para o ápice da vitória de teus sonhos
Divididos, repartidos,
Mas que se despedaçaram
Em um instante devastador.
Nove meses se passaram
De um outro parto
De dor sem recompensa
Sem sorriso de felicidade
Sem choro de criança
Mas de face desfigurada
Pela dor algoz da morte
Traiçoeira, sorrateira
Que te levou de mim.
Nove meses de saudade
De ausência corpórea,
Mas alma fungível
Transmutada com a minha,
Num único corpo
No qual estarás sempre presente
Pelas marcas indeléveis

De vida, amor e fraternidade.






ETÉREO

Isabel CristinaSilvaVargas


Hoje és só energia
Despido das vestes carnais
Pairas entre anjos e querubins
Habitando galáxias de amor
Espalhas luz , paz e fraternidade
Presença etérea nas lembranças

De tantos quantos te amaram.



Elos de Amor

Isabel C S Vargas


Teu imenso amor
Tem sido um bálsamo
Em nossos corações feridos.
Amor que em vida
Nos foi dado no dia a dia
Em forma de gestos inesquecíveis
Como teu abraço espontâneo
Teu sorriso cúmplice
Teu silêncio respeitoso
Tua alegria compartilhada
Tua preocupação amorosa conosco
Teu exemplo de fidelidade, lealdade
E amizade com todos,
Ainda que sem tua presença física,
Tens nos transmitido muito amor,
Traduzido na presença constante
De amigos teus
Que hoje, mais do que antes,
São nossos também.
Em cada abraço dos meninos,
Sinto um pouco de ti.
Em seu riso franco,
Vislumbro teu sorriso.
Sinto como se contigo falasse.
Formamos uma corrente.
Nós te enviamos nosso amor
Em forma de oração
Tu nos abraças através dos meninos
A quem enviamos nossa gratidão

Por não nos abandonarem.





TERRITÓRIO PERDIDO

Isabel C S Vargas


Como Alice
Estou caindo no buraco
Descobrindo sensações
Explorando territórios
Ora me surpreendo
Com minha pequenez
Diante do inesperado
Outras, assusto-me
Com o tamanho das fendas
Sulcadas em meu interior.
Procuro atalhos
Para tentar sobreviver
Descubro

Que mesmo encontrando saída
Jamais voltarei ao meu lugar.






Pedaços de mim

Isabel C S Vargas

Lagoa, Laguna, Mar
Não importa a definição
Neste momento és apenas
Depositária de minhas lágrimas
Lagoa de doces recordações
Laguna do sal
Que faz arder minhas feridas
Mar de correntes e redemoinhos
Onde procuro meu tesouro perdido
E me devolve os pedaços do que fui.






1 Comments:

At 7:47 PM, Blogger Nadilce Beatriz said...

Olá querida Isabel, teus textos me fazem doer a alma, hoje, agora que os leio, o momento.
Tens uma capacidade de aflorar a dor sem machucar as palavras.
Muito lindo.
Beijos em teu coração.
Nadilce Beatriz.

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home