terça-feira, outubro 11, 2011


                                            SOLIDÃO



                Há autores maravilhosos que falam sobre o escrever como ato solitário. Da solidão brotam as idéias, os textos, a obra. Traduzem a solidão como facilitadora ou indutora do ato de escrever
           Não estou aqui para concordar ou discordar. Minha idéia é duvidar. Até porque em meu entendimento é da dúvida que resultam coisas boas.
             Da solidão só sai amargura, tristeza, mágoa (ou são as mágoas que geram solidão?) azedume, isolamento, distanciamento, sofrimento, incapacidade de conviver (e por não saber viver com, as pessoas morrem). Na solidão encontra-se muita dor e não é dor pequena não, muito menos por vontade própria, porque a solidão é danada. Vai pegando a pessoa aos poucos, enredando em uma teia, que depois não dá para sair. Quando o indivíduo percebe, está por inteiro na solidão e aí, para escapar só com ajuda, se tiver sorte, e se não tiver espantado todo mundo à sua volta. Aliás, espantou a si mesmo e nem percebeu.
            É como aquele fenômeno da psicoadaptação, no qual a pessoa vai recebendo as informações aos poucos, por mais difíceis que sejam de aceitar e quando se apercebe já acostumou. Na solidão é a mesma coisa ao contrário. A vida vai lhe sendo tirada aos poucos, e como é devagar, como em conta gotas não dói tanto que ao se dar conta ela já fugiu de todo. Aliás, ele fugiu de si mesmo sem ter consciência disso. E dessa inconsciência nada brota. Do nada não brota semente. Não prolifera vida.
            Então, abaixo a solidão esse danado mal do século que pega pessoas e transforma-as em formigas, sem vontade, sem prazer, sem sossego.
            Escrever brota da vida, do amor, da falta dele, mas do amor por si mesmo que é capaz de fazer qualquer pessoa desafogar dores intensas no mais desassossegado rabisco, muitas vezes sem forma, mas como sinal de resistência, de apego à vida, da necessidade de elaborar coisas e fugir da insanidade.
             Escrever resulta do entusiasmo, da percepção do sagrado em cada ser.  Então, ao escrever sacralizamos a vida.
            A solidão não nos permitiria escrever qualquer texto. Pelo menos para mim, simples mortal que através da escrita luta para não ficar à deriva.

PUBLICADO NO DIÁRIO DA MANHÃ-PELOTAS-RS
DATA:2011.10.11-TERÇA-FEIRA-PÁGINA 4-TRIBUNA DO POVO
Publicado no site:www.recantodasletras.com.br
Data:2012.01.16

Marcadores:

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home