quarta-feira, outubro 14, 2009

SENTIMENTO AMORDAÇADO                                
        

Tenho que manter muita coerência entre o que penso, digo e realizo. Será que tenho mesmo? As contradições não fazem parte da nossa humanidade?

Não posso me deixar levar por desespero nem cultivar a desesperança. É preciso manter o equilíbrio e saber aceitar momentos de dificuldades como invitáveis. Não posso ter a pretensão de acreditar que este momento não chegaria. Ele chega para todos nós. Tinha muito medo de enfrentá-lo. Não sabia como reagiria que sentimento apareceria. Quando foi com meu pai ainda era jovem. Foi diferente. As emoções se misturavam. Era um misto de dor e insegurança, mas o futuro se descortinava na minha frente. Acreditei que o tempo me faria entender muitas coisas.

Agora, apesar da enfermidade que já se instalara e da qual eu procurei me manter afastada –pela minha incapacidade de lidar com ela- por antever a morte, percebo que fugi a vida inteira da única certeza da vida. Como outrora os sentimentos continuam misturando-se em minha cabeça(ou no coração?) Por que só penso? Por que racionalizar tudo? Devia me deixar sentir, esgotar os sentimentos até a última gota. De que? Se nem choro. Sei que devia chorar. Por que não consigo? Sei que a dor é grande. Ou devia ser?

Sinto que me arrancaram as raízes. Pairo solta no espaço.

Publicado no site:http://ufficiodelettera.blogspot.com com o título O Personagem e a Morte
Data:2007.09.07
oficina literária
Publicado no livro 1ª Antologia de Contos Premiados - Autores Brasileiros Contemporâneos, Edição 2009, BrLetras/CBJE, Novembro de 2009, Rio Janeiro-Brasil
http://www.camarabrasileira.com/apr09-026.htm

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home