quarta-feira, outubro 07, 2009

   PERCEPÇÃO                                     
  


                                                                                                                                        
Fui passar o final de semana fora. O mais interessante de tudo: sozinha. Precisava respirar. Sentia-me sufocada com tanta exigência por parte dos que me cercam. Nunca tinha feito isto. Estava feliz e temerosa. Como me sairia? Seria uma pequena prova do que é viver só. Queria sentir o gostinho da liberdade. Ou da solidão.

Não seria mais do que um final de semana.

Almocei no restaurante que me pareceu satisfatório. Bonito, boa freqüência, as pessoas falando discretamente. Não gosto de pessoas falando alto nem gesticulando em excesso.

Procurei uma mesa de canto, com boa visibilidade para o restaurante e para a rua, que eu podia ver através da grande janela.

O almoço se desenrolava tranquilamente. Depois iria caminhar para rever a cidade que me encanta. Lojas, cinemas, galerias, teatro estavam incluídos em meu roteiro de final de semana. A ordem não importava. Queria aproveitar tudo.

Meu desejo secreto: redescobrir meus gostos, recuperar recordações de outrora, reencontrar a jovem de 20 anos atrás. Quem sabe resgatar sonhos que se perderam.

Algo inusitado aconteceu.

Na mesa à minha direita percebi alguém que parecia familiar. Não lembrava quem era, se personagem de um livro ou de um filme. Talvez ambos.

Era bonita, com ar requintado, gestos comedidos e sorriso controlado. O olhar era distante, como de quem sonha.

O homem ao lado, cortês, amável, solícito, não deixava espaço para ela respirar, viver, desenvolver-se. Dava-me a idéia de um cão a lamber seu dono. Era como se adivinhasse o que ela iria fazer e se antecipava. Atitude castradora.

Soterrada em meio a tanta gentileza ela parecia sentir-se livre nos pensamentos.

O garçom dirigiu-se a ele como Dr. Carlos. Ele tratava a esposa pelo nome: Emma. Descobri quem eram. Não conseguia acreditar naquela materialização. Eu devia estar doente.

Parecia uma cena real.

Tive vontade de me dirigir a eles. Perguntar a ela inúmeras coisas. Se me respondesse talvez suas respostas me auxiliassem, mas também poderia desaparecer.
crédito de imagem: internet

http://4.bp.blogspot.com/

Publicado no site:http://ufficiodelettera.blogspot.com/
Publicado no livro Quem? Contos selecionados,Autores Brasileiros Contemporâneos,1ªEdição /2009. BrLetras,CBJE,R.Janeiro, Brasil
http://www.camarabrasileira.com/quem09-033.htm
Publicado no site:http://www.dominiocultural.com/
Data:2010.01.05
Publicado no site:http://www.paralerepensar.com.br/
Data:2010.01.05
Publicado no site:http://www.recantodasletras.com.br/contossurreais/3510425
Data:2012.02.20

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home