domingo, setembro 14, 2008

ATÉ AS  FÁBULAS   MUDARAM                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      

crédito de imagem:portalmatao.com.br


As fábulas são histórias que misturam animais e seres humanos. Aos animais são atribuídas características ou ações típicas dos humanos, como falar, cantar, trabalhar. Geralmente, através delas se percebem críticas aos valores da sociedade em uma determinada época. Vislumbram-se também aspectos psicológicos nas mesmas. Parecem, à princípio, inocentes histórias para entreter e distrair crianças, mas ao analisá-las descobrimos o seu real conteúdo ou o significado contido em seu discurso.
Creio que ninguém desconhece a fábula do sapo que vira príncipe. Na verdade, do príncipe que por maldade de uma bruxa foi transformado em sapo. Com o beijo da moça que o encontra e que se comove com a sua situação e o beija ele volta à sua situação normal. Ambos casam e são felizes para sempre.
Observa-se aí a importância atribuída ao casamento e o sacrifício que as mulheres seriam capazes de fazer para casar. Para isto as mulheres eram preparadas. O casamento aparece como sinônimo ou garantia de felicidade eterna e realização.
A fábula que circula pela internet apresenta-se de modo diferente.
O sapo é colocado como um professor e não um príncipe como nas versões mais antigas.
O desfecho inusitado é que me levou a escrever, pois reflete bem a realidade atual.
A moça pega o sapo, coloca-o na bolsa. Ele espera ansioso pelo beijo que o libertaria do maléfico feitiço. Ao inquirir a moça sobre o porquê da demora ela responde:
_Pensei melhor. É mais lucrativo um sapo falante do que um marido professor.
Quantos significados podemos perceber nesta resposta que a princípio parece muito hilária.
Dá para perceber a menor importância atribuída ao casamento, a valorização do lucro, do aspecto financeiro em detrimento das relações afetivas ou pessoais e da pouca valorização atribuída ao professor como profissional, hoje com salários defasados, tendo que se submeter a uma carga excessiva de trabalho para sobreviver, isto quando encontra trabalho na sua área de atividade, pois são inúmeros os casos de professores trabalhando nas mais diversas atividades.
Percebe-se, entre outras coisas a mudança do comportamento feminino.
A historicidade do discurso espelha as diferentes realidades.
Vale uma reflexão.
Publicado no Diário da Manhã-Pelotas-RS
Data:2008.09.14
PÇublicado no site:http://icsvargas.bloguepessoal.com/
Data:2008.09.17
Publicado no site:http://www.olhasoaqui.com/
Data:2008.09.18
Publicado no site: http://recantodasletras.uol.com.br/
Data:2008.09.20
Publicado no site:http://www.gostodeler.com.br/
Data:2008.09.27
Publicado no site:http:www.wmulher.com.br
Data:2008.10.20
Publicado no site:http://www.escrita.com.br/
Data:2008.11.04
Publicado no site:http://gavetadoautor.sites.uol.com.br/
Data:2008.11.07
Publicado no site:http://www.textolivre.com.br/
Data:2009.03.01
Publicado no e-book Pensamentos Dispersos em http://www.celeirodeescritores.org/ na Galeria Literária
Publicado no site:http://www.omelhordaweb.com.br/
Data:2009.08.18
Publicado no site:http://www.paralerepensar.com.br/
Data:2009.10.22
Publicado no site:http://www.dominiocultural.com/
Data:2010.01.16
Publicado no site:http://www.webartigos.com/
Data:2010.01.16
Publicado na Anologia On Line da Câmara Brasileira de Jovens Escritores.
http://www.camarabrasileira.com/aim09-021.htm
Publicado no livro Além da Imaginação, CBJE/BrLetras, 2010

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home