sexta-feira, agosto 15, 2014

REVISTA EISFLUÊNCIAS AGOSTO 2014






Ago de 2014
Ano IV - Número XXX











A FELICIDADE MORA EM MIM
Por Isabel C S Vargas








Isabel C S Vargas



Terminei a leitura de um pequeno grande livro. Refiro-me desta forma, porque em suas pouco mais de setenta páginas, encontrei tantas coisas que a leitura, inicialmente habitual e despretensiosa não me dava a idéia de que iria me identificar tanto. E, consequentemente, me fortificar em determinados posicionamentos, questionamentos e reivindicações.
O autor N.D.Walsch em seu livro ”Aprendendo a conviver com quem se ama” fala a respeito de relacionamentos e convivência, portanto, sobre o cotidiano de todos. Pode parecer banal,visto que ninguém vive só, isolado, mas na realidade, é exatamente por isso que ocorrem muitos problemas para determinadas pessoas.
É comum verificarmos que o fato de gostarmos de uma pessoa, de com ela partilharmos muitos momentos, ou de querermos com ela estar, muitas vezes gera um sentimento que pode sufocar tal pessoa. Nada mais primitivo. Semelhante à época que os conquistados viravam propriedade do conquistador.




A vida implica em mudança, crescimento, desenvolvimento, troca, partilha, aceitação e, sobretudo liberdade, amor e alegria. A idéia que temos é que estas pessoas vivem como se tivessem que bater ponto na vida, isto é, cumprir uma obrigação, uma tarefa com tudo controlado, pré-determinado e previsto , de forma subordinada . Bate-se ponto no trabalho, que também deve ser motivo de alegria, pressupõe liberdade de escolha, aptidão, realização de potencialidades, processo de reafirmação e realização da dignidade humana.
Com a vida é diferente. A vida é benção, por isso um contínuo ato de louvação, de agradecimento, de compromisso com a liberdade própria e do outro, com a felicidade, com o amor, com a doação, com a solidariedade e gratidão.
Geralmente as pessoas tendem a ver o que podem extrair de um relacionamento, para sua própria felicidade e não o que podem oferecer, para o bem do outro. É uma maneira egoísta de se relacionar. Isto em qualquer tipo de relacionamento.
Assim, o relacionamento e a convivência tenderão a ser satisfatória e a dar certo, na proporção da satisfação que alguém possa ter em função do que obtiver e não do que proporcionar. Isto significa que o outro é que tem que estar a nosso serviço, ou melhor, a serviço de nossa felicidade. É uma atitude passiva, na qual se verifica que a nossa felicidade está no outro. Na realidade, a nossa felicidade está em nós e nas nossas circunstâncias, ou seja, no que podemos fazer, realizar, desenvolver em prol da realização de nossos desejos, aspirações, de nossa vocação, procurando, sobretudo servir. É um processo inverso do outro.É outro o raciocínio.Precisamos repartir para multiplicar.Quanto mais tiramos do outro, na realidade é porque menos possuímos.É necessário sair de dentro da casca, de nascer e se abrir para o mundo, para as pessoas que nos cercam, ver cada um como único, completo, capaz. Na medida em que o enxergamos desta maneira, o entendemos capaz de administrar sua própria vida, sem querermos ter a pretensão de achar que nós é que sabemos o que é melhor para ele e com isso nos acharmos no direito de dizer e ditar regras do que fazer e como fazer, o que buscar, com o que se contentar achando que os desejos, gostos e prioridades são os mesmos nossos. Ignoramos o outro como pessoa. Julgamo-nos donos de sua vontade. É um posicionamento que tolhe, castra, ao invés de proporcionar desenvolvimento, amadurecimento, autoconhecimento, evolução e realização. Daí encontrarmos tantas pessoas infelizes, vivendo como robôs, cumprindo rotina, tarefas, obrigações de forma a só cumprirem uma agenda por outros escolhida e determinada, como se viver fosse uma obrigação e não uma dádiva. Não estão vivendo sua verdade, não estão realizando um processo que lhes faça sentir que estão se desenvolvendo como pessoas. .São robôs a serviço de terceiro. Prisioneiros de uma relação, escravos de um senhor e não empreendedores da própria felicidade. Por isso encontramos tantas pessoas amarguradas, sofridas, parecendo sem perspectiva de futuro. Não parecem estar vivendo, no verdadeiro sentido, isto é, dando-se a possibilidade de mudar
A vida implica em mudança, crescimento, desenvolvimento, troca, partilha, aceitação e, sobretudo liberdade, amor e alegria. A idéia que temos é que estas pessoas vivem como se tivessem que bater ponto na vida, isto é, cumprir uma obrigação, uma tarefa com tudo controlado, pré-determinado e previsto , de forma subordinada . Bate-se ponto no trabalho, que também deve ser motivo de alegria, pressupõe liberdade de escolha, aptidão, realização de potencialidades, processo de reafirmação e realização da dignidade humana.
Com a vida é diferente. A vida é benção, por isso um contínuo ato de louvação, de agradecimento, de compromisso com a liberdade própria e do outro, com a felicidade, com o amor, com a doação, com a solidariedade e gratidão.

Isabel C S VargasPelotas - Rio Grande do Sul - Brasil
http://www.icsvargas3.blogspot.com.br/













0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home