domingo, março 18, 2012

CONTO PROGRAMADO




Um homem de terno cinzento entrou na tabacaria. Mostrava pressa e falou com agressividade ao mesmo tempo em que empurrava violentamente o homem atrás do balcão. Com a outra mão retirava todo o dinheiro da gaveta. Escondida no meio das prateleiras, uma pequena câmera filmava o assaltante.
O rapaz caído estendia a mão e apanhava a arma embaixo do balcão.
Havia um gato magro que miava sem parar.
O assaltante ignorando a existência da arma, ainda contava o dinheiro. Não imaginava que podia haver reação daquele homem franzino caído no chão.
Ouviu-se um estampido.
Os seus olhos arregalaram-se. Não acreditava no que estava acontecendo. Passou a mão no peito.
Ouviu-se um segundo estampido. O terno já não era mais cinza. O gato parou de miar.
A casa estava cheia de amigos, vizinhos e parentes.
Ninguém entendia como um homem correto, bom chefe de família tinha cometido aquela loucura. Todos estavam perplexos. Nada justificava aquele ato.
Começou uma chuva miúda, mas logo vieram as trovoadas, o vento, os relâmpagos.
Era uma moldura adequada para o quadro de desolação geral.





Publicado no site:
http://www.recantodasletras.com.br/contosdesuspense/3560722
Data:2012.03.18

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home